edward hopper


Às vezes coloco o quadro Cafeteria Automática [a última imagem da galeria acima], de Edward Hopper (1882-1967), no meu MSN. E sempre vem alguém me dizer: “É o Hopper, né? Adoro ele!” E eu sempre fico a pensar por que raios alguém exclama com tanta felicidade ao dizer que adora os quadros desse americano, e não diz uma palavra mais para justifcar a adoração. Por causa da beleza estética? Talvez sim, porque seria difícil alguém gostar dos quadros dele pelo o que representam. Afinal, ninguém nunca me disse que adora a série Os retirantes, principalmente Criança morta, de Portinari, e muito menos da Guernica, de Picasso.

Os quadros de Hopper retratam uma solidão, um vazio. As construções sempre parecem inabitadas, as pessoas estão sempre de cabeça baixa, melancólicas, ou sozinhas – mesmo quando estão companhada por outrem. Um silêncio paira sobre suas obras. E uma luz gélida ilumina alguns pontos como fio de esperança. Luz, que Hopper trabalhava mais do que suas cores pasteis: “Meu interesse está mais voltado para a luz do que para a cor.”

Mas eu não posso afirmar que essa minha interpretação era a idéia do artista sobre seus quadros. Essas são sensações que sua obra desperta em meu inconsciente.  Pois, certa vez questionado sobre a solidão presente em sua obra, respondeu: “Se o é, é de forma inconsciente. Provavelmente eu sou de temperamento solitário.”

Ok. Pode perguntar: “mas se é uma pintura tão triste, por que você gosta?” Eu gosto, porque aprecio esteticamente e gosto dos temas abordados: a solidão, a vida na cidade, a arquitetura. Gosto também da Guernica e da série Os retirantes. Gosto do desconforto que me causam e me fazem refletir sobre as misérias humanas, tanto as sociais, como as mentais – que Hopper trata de maneira fascinante, forçando você ir além da aparência para enxergá-la. Ele não exagera ou estiliza a solidão e a melancolia que eu sinto em seus quadros, e sim, as supõe, de maneira muito sutil nas cenas cotidianas.

É um jogo de oposto: um grito mudo, um barulho surdo, um calor frio.

É arte: um site em português dedicado ao artista. Há informações sobre a vida e a obra do pintor, e um vasto acervo digital de suas obras: www.hopper.com.br 

É fato: vai ser difícil ver um quadro de Hopper em São Paulo, pelo menos. Pois os principais museus da cidade de São Paulo: Masp, Pinacoteca e MAC, não têm obras do pintor. E eu também não vi nenhuma em outras  instituições da cidade que já visitadas 

Anúncios

3 comentários sobre “edward hopper

  1. Acho que a gente gosta, porque na verdade, acaba reconhecendo essa solidão que ele retrata na gente também. Soa muito familiar pra todo mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s