macbeth


Dizem por aí que a peça Macbeth é amaldiçoada. Eu não tenho dúvidas disso. Sempre que eu e ele combinávamos de ver algo no Sesc, alguma coisa dava errado. Há menos de uma semana para vermos Macbeth, ele terminou comigo. Pelo menos, eu consegui ver a peça e deixei o ingresso dele guardado na carteira. Agora, vamos a “A peça escocesa”!

Ver uma montagem de um texto integral de Shakespeare bem interpretado é uma coisa rara. Tão rara que os ingressos se esgotaram em poucos dias. Li Macbeth na faculdade. Nunca soube de quem tinha mais medo: da Lady Macbeth ou da professora Rosangela Petta, que esperneava perguntando: “Quem é o protagonista, classe?”, “JoB, cadê o coro?”.  Lembro de ter ficado muito na dúvida sobre a primeira pergunta. Por mais que soubesse que Macbeth era o protagonista, ele nada seria se não fosse a Lady Macbeth. É ela a grande cabeça de toda trama. Isso me deixava intrigada. Por que ele é a principal se mais parece um fantoche nas mãos da mulher? Devo admitir, porém, que essa é uma visão muito feminista de minha parte: “há sempre uma grande mulher atrás de um (suposto) grande homem”.

Daniel Dantas, que já interpretou grandes bundões na teledramartugia brasileira, faz brilhamente o papel do rei da Escócia. Um soldado que, mesmo vestido com sua armadura, não consegue disfarçar suas fraquezas, indecisões, medos… hum… humanidade? E Renata Sorrah faz uma Lady Macbeth mais demoníaca  que a Narareth. Forte, decidida, fogosa e… cruel! A montagem de Aderbal Freire-Filho desse texto lembra muito sua montagem de Hamlet. Parece-me, no entanto, que, em Macbeth, o diretor o optou em ser mais tradicional, mais clássico. Claro, já diferenciou Borges, “Hamlet é a tragédia de um pensativo em um mundo violento, o som e fúria de Macbeth parecem furtar-se a uma análise”. Ou seja, Hamlet é uma peça pra dentro, de palavras. Macbeth é uma peça de ações, gestos. Aliás, que beleza as cenas de luta. Quem disse que pra ser forte e real precisa ser violento? Aderbal Freire-Filho soube tratar a violência da peça de uma maneira muito elegante.

É arte: a iluminação. Apesar de muito simples e precisa, ela funciona muito bem quando necessária.

É fato: Macbeth é a peça mais curta de Shakespeare, mas a peça tem 160 minutos de duração. Isso sim causa um mal-estar, no corpo, devo ressaltar.

:: Macbeth: de William Shakespeare. Drama. Direção: Aderbal Freire-Filho. 160 min. Sesc Pinheiros (R. Paes Leme, 195, Pinheiros, 3095-9400. R$ 5/R$ 20.). 6ª/sáb às 20h, e dom às 18h). Até 18/07. Ingressos Esgotados!


Como os ingressos estão esgotados, apreciem esse trechinho!

Anúncios

2 comentários sobre “macbeth

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s