The Crown


 

Eu não gosto muito de séries. Na verdade, não tenho muita paciência. São muitos episódios, infinitas temporadas. ZzzZZZzz Eu prefiro mesmo uma boa novelona que, no máximo em nove meses, vai acabar. E se eu perder um ou outro capítulo não fará falta. Mas aí que eu fui fisgada pela série The Crown. Eu e o meu marido ficamos totalmente viciados. Largamos mão da novela por uma semana e assistimos à dois episódios por dia terminando a primeira temporada em uma semana. E agora sofro de ansiedade porque deve levar pelo menos mais um ano para sair a segunda. Amigos amantes de série, por que vocês fazem isso com vocês próprios? É muita angústia. Mas eu tenho algumas teorias para explicar porque gostei tanto de The Crown.

 

  1. Ah, a vida do outro. Eu acho que nasci para ser voyeur. Imagine: eu adoro até ficar olhando o quintal do vizinho da minha varanda. Se eu pudesse, comprava um binóculo para observar a vida das pessoas no prédio da frente. Mas o bom senso me impede isso. Obrigada, mãe. Então, imagina uma série que esmiúça a vida da corte britânica? Eu fico louca, Brasil! Depois de assistir à cada episódio, eu ficava numa busca frenética na internet para descobrir mais coisas sobre a vida de cada personagem.
  2. Essas fofocas da vida da família real são muito novelesca. Príncipes, princesas, amores mal resolvidos, vilões, conspirações contra a corte. Cara, isso poderia ter sido escrito pelo Dias Gomes. O enredo tem todos os ingredientes de uma boa novela. Porém, melhor escrito e melhor produzido. Imagine: 10 episódios levam mais de um ano para serem feitos. Enquanto em menos de um ano, para uma novela, são gravados cerca de 200 episódios. A qualidade não tem como ser a mesma.
  3. Os atores estão fabulosos e é incrível a semelhança com seus personagens na vida real. A menos parecida é a Clay Foy, que interpreta a rainha Elizabeth II, mas que dá um show de interpretação. Não é à toa que ela ganhou Golden Globe de melhor atriz de séries. Aliás, The Crown ganhou o Globo de melhor série. Isso é só para ir te convencendo.
  4. E por último, eu gosto de ver coisas bonitas. A fotografia, os cenários, os figurinos… são belíssimos. Tudo impecavelmente bem cuidado. Sabe aquela história de encher os olhos? Seus olhos vão transbordar.

 

Enfim, se eu não te convenci, é uma pena. Tá perdendo uma incrível produção. E agora eu tô aqui morrendo de abstinência porque acabou a primeira temporada e vendo todos os filmes que existem sobre a realeza e os vídeos no youtube. Afinal, sabe-se lá quando vai estrear a segunda temporada. E já se tem notícia de que, na terceira, vai aparecer a Lady Di. CATAPLOFT. Dá-lhe chá de camomila e suco de maracujá.

Anúncios

3 Teresas


Chovia sem parar. E a vontade de sair do meu quarto era zero. Aproveitei, então, para ver os episódios de 3 Teresas que tinha perdido. Acho que essa é a melhor série que o GNT passou nos últimos anos. E olha que eu gostei de Sessão de Terapia. 3 Teresas, entretanto, é diferente. Tem uma sensibilidade, que as outras séries exibidas pelo canal não tem.

Nas duas horas passadas vendo os episódios, ia do choro ao riso com as situações vividas pelas Teresas. A personagem de Denise Fraga é com quem eu mais me identifico. Uma mulher forte, decidida, que passou por uma separação, mas que não quer se mostrar frágil para ninguém e tá tentando ser feliz.

No episódio Sonhos de uma noite de verão, Teresa deixa se envolver com uma pessoa que diz para ela:


“A vida é um caminho pra frente. Tudo fica mais leve quando a gente aprende perder”. 

Bonito, né? E o cara completa o raciocínio assim:

“Toda história tem um fim. A grande questão é sabe enxergar o fim. Ou o começo.”

Vivi muito tempo, nesses últimos meses, olhando para trás. Com remorso (não sei ainda se essa é a palavra certa) pelas coisas que deixei. Não aceitando o fim de algumas situações e alimentando (lá no fundinho) histórias que acabaram. Assim como a Teresa.

É difícil seguir em frente. Permitir o novo. Se abrir. Especialmente, às emoções. Eu tenho uma dificuldade imensa. Às vezes, me dá uma vontade gigante de voltar para 2011 – um dos melhores anos da minha vida – ou para 2007/2008 ou 2009.

Mas o tempo não retroage, como bem lembrou o affair da Teresa. A gente não tem outra escolha a não ser seguir em frente. Aceitar que o clichê “o que passou, passou” e se abrir. Porque, como diz a canção do Belchior, “o novo sempre vem”. E precisamos estar pronto para ele.

lois & clark – as novas aventuras do superman


[um pouquinho de cultura pop dos anos 90 não mata ninguém]

Todos sabem que eu sou da turma da novela. Adoro uma trama das seis. Mas tem algumas séries que eu não resisto (pra falar a verdade dá para contar nos dedos e não enche uma mão, e são beeem antigas). Uma delas (a favorita) é Lois & Clark – As novas aventuras do Superman. Eu comecei a assistir quando ainda passava na Rede Globo – eu devia ter uns 7/8 anos. Depois, quando o SBT passou a exibir, eu continuei a assistir. E há uns dois anos o mesmo canal reprisou as duas primeiras temporadas às 9h de domingo. Pois acordava cedo para ver.

Mas que fique claro que não é por causa do Superman que eu AMO a série. Já confessei meu amor pelo Batman aqui algumas vezes. E sim, por causa do Clark (Dean Cain), por causa da Lois (Teri Hatcher). Gente, como futura jornalista, além da Fátima Bernardes (ídolo de infância), eu sempre quis ser a Lois. Eu gostava do cabelo dela, das roupas, do faro investigativo. Eu adoraria ser uma repórter como ela, e claro, ter um parceiro como o Clark. Lindo, inteligente, lindo, bom moço, lindo, de boa família, lindo, jornalista, lindo, sarado, lindo, apaixonado por mim, lindo… É, adoraria tê-lo como parceiro e como namorado também, assim como a Lois, ÓBVIO!

Todo esse nariz de cera para dizer que, dias atrás, um colega de classe mandou um link para o e-mail da sala pra gente (cof-cof) assistir a um filme que foi passado em aula. E, vasculhando o link, eu achei uma relação de links que remetem a um youtube japonês que tem todos os episódios e temporadas de Lois & Clark!! Nem preciso dizer que desde esse dia eu assisto a, pelo menos, um episódio, né? E termino esse post por aqui. Agora eu vou ver mais um. =)