globo da morte de tudo


“Viu, filho, nem tudo está perdido”, resumiu uma mãe a uma criança após a performance dos motociclistas na instalação, Globo da Morte de Tudo, de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska. A frase positiva da mãe me fez refletir e pensar no lado positivo dos acontecimentos. O que nem sempre é fácil.

Ao meu ver, a maioria estava ali para assistir uma quebradeira total dos objetos instalados nas prateleira enquanto os motociclistas rodopiassem com suas motos nos dois globos. As pessoas queria a catarse. Mas saíram com a frustração porque, com a quebra de uma das motos, a vibração não foi suficiente para que tudo viesse abaixo. Estilhaçando apenas poucos vidros e peças de porcelanas e muitos objetos ficando intactos nas prateleiras. E assim é a vida. Quantas vezes não planejamos para que algo aconteça de tal modo, mas nada ocorre exatamente como está no papel. E arte às vezes a imita vida já diz o ditado.

Em uma entrevista, Nuno Ramos disse que “da destruição vem a possibilidade de construir algo novo”. Mas da frustração, eu diria, vem a possibilidade de tentar de novo. E quem sabe de forma diferente ou quem sabe com um resultado melhor. Dia 8  de novembro, hoje, os motociclistas voltam ao Globo para a última e derradeira apresentação. Quem sabe agora tudo virá abaixo provocando a catarse tanto esperada pelo público. Ou não. E tudo relute em continuar como está. E essa é a beleza da vida. A falta de controle e imprevisibilidade. Afinal, talvez nem tudo esteja perdido basta apenas mudar o jeito de olhar.

:: Globo da Morte de Tudo, de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska. Sesc Pompeia. R. Clélia, 93 – Pompeia, São Paulo – SP, 05042-000. 3a/sáb.. das 9hàs 21h; dom. das 9h/20h. Ativação do Globo: 08 de novembro às 20h.

 

jazz na fábrica: michael blake


No terceiro ano da faculdade, uma professora colocou um CD do Milles Davis para tocar durante uma aula e disse para prestarmos atenção na conversa dos instrumentos. O sax que conversava com a bateria, que levantava bola para o piano que concordava com o baixo. Eu não lembro a finalidade disso, mas o jazz passou a ser ouvido de outra forma por mim. Sempre prestando a atenção nessas conversas. No seguinte, um outro professor estava se desfazendo de uns CDs e entre eles estava Time Out, com o quarteto de Dave Brubeck e que contava com a execução de Take Five, melhor música do universo. Mal sabia que aquele era um caminho sem volta no mundo do jazz e que esse CD seria a trilha de muitas noites e encontros em casa.

Antes do último sábado, eu só tinha visto bandinhas de jazz tocando em bares. O que já me agradava muito. Mas que tocavam repertórios conhecidos de Milles, Chet Baker e Brubeck. Pela primeira vez, vi um compositor de jazz tocando ao vivo com sua banda e pude finalmente ver a conversa entre os instrumentos no festival Jazz na Fábrica, no Sesc Pompeia. O canadence Michael Blake, considerados uns mais inventivos saxofonistas do jazz atual, tocou com seu quarteto musicas composta por ele mesmo. Embora o sax seja a voz de um conjunto de jazz, todos ali tiveram seus momentos epifânicos com seus instrumentos.

Simpático, Michael Blake conversou com público e passou a bola com maestria aos seus companheiros, Ben Allison, no contrabaixo; Frank Kimbrough, piano; e eu esqueci o nome do baterista. #gafe Quem souber por favor me avisa para eu corrigir aqui. Como eu não sou uma profunda conhecedora de jazz, vou deixar vocês com o vídeo de Blake sua banda tocando na notei de sábado.

 

 

O próximo fim de semana é o ultimo do festival Jazz na fábrica no Sesc Pompeia e as atrações são:

Choperia Sesc Pompeia
LayerZ – Quinta (27), 21h30.
Orquestra Atlântica –  Sexta (28), 21h30.
Marlena Shaw e Bixiga 70 – Sábado (29), 21h30, e domingo (30), 19h.

Teatro do Sesc Pompeia
Laurent de Wilde – Quinta (27), 21h.
Barcode Quartet – Sexta (28), 21h.
Tânia Maria e Armando Marçal – Sábado (29), 21h, e domingo (30), 19h.

quando o canto é a reza – roberta sá e o trio madeira brasil


O reality show que eu mais gostava era o Fama. (Pasmem: em um momento de crise vocacional, eu até cogitei me inscrever para tentar uma vaguinha. Pai, obrigada por ter me desmotivado). Bom, mas Roberta Sá foi uma das que tiveram coragem e foi para academia. Eu, no entanto, não guardo qualquer registro da cantora no programa. Para isso existe o Youtube!

Quem me apresentou a cantora foi a minha querida amiga Ju Alquéres, nos velhos tempos de Esquinas. E logo me apaixonei por suas versões delicadas.

Para começar 2011, fui bem acompanha ao show do seu novo CD Quando o canto é a reza, com o Trio Madeira Brasil. Roberta, com todo seu encanto, fez uma apresentação cheia de bossa e de samba, que, com certeza, trouxe boas novas ao meu ano que se iniciava.

Quem de tempo será tem de ser

É arte: adoro os figurinos da cantora. Vestidos que eu gostaria de ter em casa. Parecem que foram feitos por uma fada madrinha de tão delicados

É fato: Roberta encadeou a choperia do Sesc Pompéia. Ninguém ali estava doente do pé. Todos estavam saltitante, como se o chão estivesse em brasa.

cuide de você – sophie calle


Eu sou super adepta ao mundo virtual, mas não dispenso um contato ao vivo. Essa história de carta ou e-mail de amor é algo que não funciona bem, acho. Não tem cheiro, não tem textura, não tem som. Ok, ok, a carta tem textura e pode ser perfumada, e o e-mail pode ter som. Em suma: cartas ou e-mails não dispensam o contato pessoal. O olho no olho. Especialmente quando se trata em terminar relacionamentos. Bem, todo mundo já falou sobre  Sophie Calle e sua “107 respostas” ao amante que terminou o caso com ela por e-mail. Para não ser mais um comentário sobre assunto, segue abaixo um vídeo com o tal e-mail narrado por mim e ilustrado com imagens da exposição.

É arte: as fotografias. São muito bem produzidas e bonitas.

É fato: a exposição é um tanto desconfortável. Como exige que você leia o tempo todo, faltam bancos para se acomodar e curtir a leitura.

:: Cuide de você: Sesc Pompeia Rua Clélia, 93, Pompeia, (11) 3871-7700. Terça a sábado, 10h às 21h; domingo e feriados, 10h às 20h. Grátis. Até 7 de setembro.

PS – Mudei fiz de novo o off e mudei a trilha.